• Renato Barjona Miranda De Miranda

Língua presa prejudica a amamentação do bebê e gera bullying na juventude: entenda a anquiloglossia


Quem nunca reconheceu alguém com língua presa? Através da fala, até com certa facilidade? Disturbios fonéticos assim podem ter sua origem na anquiloglossia, uma anomalia de desenvolvimento da língua caracterizada pela inserção curta do freio ou frênulo lingual, o que resulta na limitação dos movimentos linguais.



Teste da Linguinha


Desde o fim de 2014, uma lei federal (no 13.002/2014) tornou obrigatória a realização em todos os hospitais e maternidades públicos e privados do Brasil do “teste da linguinha”. O exame, que deve ser feito em até 24 horas depois do nascimento do bebê, tem por objetivo detectar alterações no frênulo lingual. (link do manual do teste)



Da amamentação ao bullying


A anquiloglossia pode prejudicar a amamentação do recém-nascido. O bebê pode ter dificuldade de sucção, perda de peso e desmame precoce, além de gerar dor no mamilo materno.


Na infância, juventude e fase adulta pode causar problemas de mastigação, deglutição e fonação. A alteração na língua e na fala acaba por gerar apelidos, podendo colocar a criança em condição de sofrer bullying.




Tratamento: solte a língua!


O tratamento é realizado através da FRENECTOMIA que consiste na remoção do tecido mucoso que compõem o freio lingual (para crianças e adultos) e tratamento fonoaudiológico para os casos graves de distúrbio fonético.


Entretanto, em recém-nascidos e lactentes pode ser realizada a FRENOTOMIA, que consiste na incisão linear do freio lingual, sem remoção de tecido.

Os benefícios do procedimento para o bebê são melhora na postura e mobilidade da língua, e na postura do lábio o que contribui para garantir os benefícios da amamentação, como o ganho de peso, através do correto vedamento do lábio no mamilo.


Ambos são procedimentos simples com baixa possibilidade de complicações pós-operatórias com tempo de recuperação de 24 horas.



Referências


LEI Nº 13.002, DE 20 JUNHO DE 2014.

Costa, VPP, et al: Frenotomia lingual em lactentes; RFO, Passo Fundo, v. 22, n. 1, p. 114-119, jan./abr. 2017

Venancio, SI et al: Parecer Técnico-Científico: ANQUILOGLOSSIA E ALEITAMENTO MATERNO: EVIDÊNCIAS SOBRE A MAGNITUDE DO PROBLEMA, PROTOCOLOS DE AVALIAÇÃO, SEGURANÇA E EFICÁCIA DA FRENOTOMIA. Instituto de Saúde set.2015

Kupietzky, A, Botzer, E. Ankyloglossia in the Infant and Young Child: Clinical Suggestions for Diagnosis and Management; Pediatric Dentistry – 27:1, 2005

https://www.hospitalsiriolibanes.org.br

33 visualizações

+5534991739286

©2019 by Meu Buco. Proudly created with Wix.com